A Bolha Cervejeira

em

Nos últimos meses, uma discussão, recorrente nos bastidores do mercado cervejeiro, é sobre uma possível bolha, resultado do grande número de novos players que entraram, e continuam entrando, no mercado. Alguns culpam o efeito manada, outros alegam que Cerveja Artesanal está vivendo o mesmo fenômeno das paleterias. Mas toda essa discussão, é promovida pela real dificuldade que as cervejarias estão em fazer a conta fechar.

A cadeia, como um todo, desde os fornecedores de equipamento, matérias-primas, rótulos e embalagens, insumos, prestadores de serviços, até a ponta final, bares e restaurantes, vem reclamando da alta queda nas vendas, da concorrência muitas vezes apelativa e da falta de consumidores.

Mas, o que será que realmente está criando esse cenário?

Para começar, precisamos nos situar, econômica e socialmente, para entendermos um pouco a situação.

É inegável que, ainda estamos vivendo o pós pandemia, a economia, apesar de mostrar sinais de reação, ainda não se estabilizou, a crise continua. A inflação está alta e o poder de compra diminuiu. Esses fatores, por si só, já seriam o suficiente para entrarmos nessa discussão.

Porém, vamos seguir. Quando o mercado cervejeiro realmente explodiu, e seu crescimento passou a ser inevitável, por volta de 2015, a luta era para mostrar ao público que existiam diversas opções além das cervejas convencionais. Esse fenômeno, que gerou muito engajamento no setor, deu resultado, e preocupou as grandes cervejarias naquele momento.

O Império Contra Aataca

Ao perceberem que o hábito de consumo estava mudando rapidamente, as grandes contra atacaram, e entraram no mercado, comprando algumas marcas artesanais, lançando produtos com apelo de maior qualidade, batendo na tecla que eles também faziam cervejas “diferentonas”. Mudaram o panorama da discussão, ou criaram um novo, onde a valorização é o sabor, o estilo, o desejo, e não a unidade produtora e seu tamanho. A propaganda deixou de ser romântica e passou a ser em torno do produto.

Talvez essa tenha sido a falha do inicio do movimento. Além, é claro, de divulgarem a qualidade e diversidade das cervejas artesanais, romantizaram muito o processo, o famoso glamour cervejeiro, e com isso, também atraíram novos players, nem sempre conectados ao “movimento”. O mercado de cervejarias artesanais, seu potencial de expansão, sua forma despojada e libertadora de trabalhar, foram vendidas como a próxima “Serra Pelada”.

Porém o Império percebeu isso rápido, e com sua força de propaganda, de precificação e logística, rapidamente retomaram o terreno perdido e mais, aumentaram o share de mercado das suas marcas, com os produtos de “qualidade melhor”. Literalmente invadiram nossa praia.

A Resistência

A resistência, para se defender, resolveu ir além, e começou a fazer cervejas que seriam impossíveis para as grandes reproduzirem, pois são inviáveis tecnicamente (para as grandes) e com alto valor agregado em insumos. O fenômeno “NEIPA com Cryo Hop” estava instaurado. Essa experiência sensorial seria imbatível perante as grandes marcas. E as latas de cerveja por 50 reais, nunca foi, e nunca será, o foco de quem quer ganhar dinheiro vendendo volume. Bingo! Retomamos nosso espaço.

Com a retomada do território, o cenário ganhava novos combatentes, a cada dia surgiam novos players e, infelizmente, a maioria deles com poucos recursos para esta batalha.

O fim da experiência

A experiência sensorial, deixou de ser novidade, e a cerveja começou a perder espaço, principalmente no bolso do consumidor. Com isso surgiu a necessidade de se ampliar a experiência, um novo desafio para setor.

Além de oferecer um produto complexo em aromas e sabores, o que mais o público quer? E essa tem sido a maior dificuldade do mercado, nessa retomada que não chegou efetivamente.

Para superar todos esses desafios, é necessário mais investimento, novos modelos de negócio, novos produtos. Uma entrega ainda maior, o que, para a maioria das Cervejarias Artesanais, é quase impossível, seja por capacidade produtiva, financeira ou até mesmo, disponibilidade de recursos humanos.

A hora agora é, novamente, de reinventar, de planejar, de buscar novos nichos. Eu diria que, ao invés de irmos adiante, o ideal é um passo ao lado. O momento agora não é mais do “beba menos, beba melhor”, mas sim do “vender menos, vender melhor”.

Sobre o autor:

Robson Vergilio é Graduado em Publicidade e Propaganda, Fundador da PNK Empresarial, Cervejeiro, Juiz BJCP, Consultor Empresarial especializado no segmento de bebidas.

Possui vasta experiência no mercado cervejeiro, atuando na área de Design de Rótulos, desde 2009 e como Gerente Comercial e de Marketing em Cervejarias artesanais dos Estados de São Paulo e Minas Gerais, de 2015 à 2022.

Como Cervejeiro, conquistou Medalha de Bronze no Festival Brasileiro da Cerveja em 2018, na categoria ‘’Blond or Golden Ale’’.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s